Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Samaritana por Edmundo Bettencourt

por João Távora, em 12.08.16

Aqui reproduzimos Samaritana (disco Columbia n 8121), um irreverente fado-canção interpretado por Edmundo Bettencourt em 1928. Este tema que efabula um enamoramento de Jesus Cristo pela Samaritana de Sicar (João 4:5–29) foi composto depois de 1910 por Álvaro Cabral nascido em Vila Nova de Gaia em 1865. Além de compositor e letrista, Álvaro Cabral era um boémio muito espirituoso e um bom e grande conversador que morreu em 1918 no Porto. Não podendo ser considerado um Fado de Coimbra, também não é um fado de Lisboa com melodia padronizada, facto que ajudará a explicar grande parte do sucesso que veio a conquistar em Coimbra. Acontece que, a partir de 1928, ano em que este fado foi gravado por Edmundo Bettencourt, a Academia de Coimbra apropriou-se dele e muitos cantores de Coimbra o têm cantado e gravado, tendo-se tornado num dos Fados de Coimbra mais emblemáticos.

Edmundo Bettencourt (Funchal, 1889 — Lisboa, 1973) foi um cantor e poeta Português conhecido por interpretar Fado de Coimbra e pelo seu papel determinante na introdução de temas populares neste género musical. Formado em direito, foi signatário das listas do MUD tendo feito parte do grupo fundador da revista Presença. Notabilizou-se pela composição musical "Saudades de Coimbra" a qual é ainda hoje uma referência da música portuguesa universitária.

Edmundo de Bettencourt.jpg

 

 

Fontes / adaptação de textos: Octávio Sérgio em Guitarra de Coimbra (Parte I) e Wikipédia

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:12



2 comentários

De José Hermínio da Costa Machado a 14.08.2016 às 11:37

Já agora pergunto se conhece alguma gravação do tema antes de Bettencourt?

De João Távora a 22.08.2016 às 11:06

Eu não conheço gravação anterior a esta, e o texto de Octávio Sérgio parece confirmar que esta é o primeiro registo fonográfico do tema.

Cordeais Cumprimentos.

Comentar post



A montante deste caprichoso prazer de coleccionar os sons antigos e de saborear sofisticados sistemas de reprodução sonora está uma enorme paixão. Neste blog que afinal é uma contradição de termos – uma plataforma de partilha digital em defesa do suporte analógico - presto tributo a essa que considero a mais divinal forma de expressão humana: a música.


O Autor

João Lancastre e Távora nasceu em Lisboa, que adora. Exilado no Estoril, alienado com política e com os media, é sportinguista de sofrer, monárquico, católico e conservador. No resto é um vencedor: casado, pai de filhos e enteados, é empresário na área da Comunicação e do Marketing. Participando em diversos projectos de intervenção cívica, é dirigente associativo e colabora em vários blogues e projectos comunicação política e cultural.

Instagram

Instagram




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D