Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Emissora Nacional: 75 anos de rádio difusão

por João Távora, em 19.08.10

 

Assumindo que a difusão radiofónica foi um acontecimento que alterou de forma assinalável o quotidiano português, seria da mais elementar justeza uma condigna efeméride quando se celebram as suas bodas de diamante. De facto foi há 75 anos, a 1 de Agosto de 1935 que a Emissora Nacional iniciou as suas emissões regulares: sob direcção de Henrique Galvão, Manuel Bívar e Pires Cardoso nomeados pelo então ministro das Obras Públicas e Comunicações, Duarte Pacheco, a profissionalização da telefonia em Portugal iniciava o seu percurso.

Acontece que, para grande contrariedade da intelligentzia estabelecida, a História da rádio pública perpassa a gloriosa revolução dos cravos e a estética desde então implantada, criando indisfarçáveis embaraços aos virtuosos celebrantes. Acredito que esta revisitação produza um certo efeito de "espelho" e assuste-os: hoje como então a “emissora nacional” reflecte o regime que a promove e sustenta.

É condicionada por essa ambiguidade e numa lógica facciosa que a Antena 1 marca o acontecimento com uma rubrica quotidiana em prime time intitulada “27.000 Dias de Rádio” sob a direcção de José Nuno Martins. O programa possui a ingrata tarefa de rememorar acontecimentos, programas e personalidades, nem sempre bem vistas pela "situação". O problema é que a História jamais deveria ser objecto de jornalistas que tendem a confundi-la com um instrumento de propaganda das suas crenças, preconceitos e tabus. Isso não é serviço público, é a perversão da sacrossanta democracia de que eles se afirmam exclusivos guardiões. Suspeito que muitos o fazem conscientes do seu desmesurado poder, confundindo o seu nobre ofício com a pretensão a "educadores do povo", sem para tal possuírem habilitações ou tenham sido sufragados. Nos anúncios ao programa "27.000 Dias de Rádio" que escutei, justificavam-se repetidamente afirmando que “recordação não é saudade”. De resto, afirmar que Salazar estava “passado”, chamar "arenga" a um seu discurso neste programa de 12 de Agosto, é um dos múltiplos exemplos dos levianos julgamentos históricos emitidos, e que ocasionalmente abrangem a própria instituição e seus antigos colegas de profissão. Irónico será quando daqui a cinquenta ou cem anos, outros julguem esta geração e os agentes deste pútrido regime, o seu trabalho, vícios de forma e de conteúdo, as suas superstições e enviesamentos culturais. Uma incontornável armadilha para os que pretendem fazer da História uma arma de arremesso político, interpretá-la numa perspectiva instrumental e maniqueísta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:08



A montante deste caprichoso prazer de coleccionar os sons antigos e de saborear sofisticados sistemas de reprodução sonora está uma enorme paixão. Neste blog que afinal é uma contradição de termos – uma plataforma de partilha digital em defesa do suporte analógico - presto tributo a essa que considero a mais divinal forma de expressão humana: a música.


O Autor

João Lancastre e Távora nasceu em Lisboa, que adora. Exilado no Estoril, alienado com política e com os media, é sportinguista de sofrer, monárquico, católico e conservador. No resto é um vencedor: casado, pai de filhos e enteados, é empresário na área da Comunicação e do Marketing. Participando em diversos projectos de intervenção cívica, é dirigente associativo e colabora em vários blogues e projectos comunicação política e cultural.

Instagram

Instagram




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

subscrever feeds